SEO: Guia Google para iniciantes

Por 5 de outubro de 2011 agosto 11th, 2017 SEO

Quais mudanças posso fazer em meu site para que ele esteja melhor classificado nos resultados de busca orgânica? De que maneira o meu conteúdo aparecerá como relevante para meu público? Como ficar visível para visitantes em potencial?

Essas dúvidas são muito comuns para webmasters iniciantes e, por isso, vamos tecer aqui, comentários baseados no Guia do Google para iniciantes, numerando dicas simples que podem ajudar na visibilidade de seu site.

1. De olho nos títulos:

Os títulos são representados pela tag < title > e podem ser considerados a porta de entrada para um site. Por isso, vá direto ao ponto: escolha títulos únicos e objetivos para que o usuário saiba o que vai encontrar ao visitar o seu domínio, sem esquecer de intitular também suas páginas internas.

Para ter uma ideia da relevância desses itens para os mecanismos de buscas, vale conferir como está estruturada uma página de resultados de pesquisa e entender um pouco mais sobre a importância desses termos para o posicionamento do seu site.

 

Como o título aparece nos resultados do Google

O título de uma página deve ser claro quanto ao seu conteúdo. Palavras chave da pesquisa são marcadas em negrito

 

? O que não fazer: usar o mesmo título para várias páginas; utilizar nomes genéricos como “Nova página”; redigir títulos muito longos, ou ainda, escolher um título que não tenha relação direta com seu conteúdo (mesmo que seja para fazer um simples trocadilho), isso porque o visitante pode confundir-se e até ficar zangado ao esperar um tipo de conteúdo e se deparar com outro totalmente diferente, o que fará com que seu site perca credibilidade.

2. Redigindo a descrição:

A descrição é representada pela tag < meta name=“description” > e deve funcionar como um resumo sobre o tema central de uma página. Ela deve conter informações relevantes que complementem o título e chamem a atenção do usuário. Além disso, o tamanho de sua descrição merece atenção. As informações devem ser descritas em, no máximo, 150 caracteres – número que evita cortes ou substituição de palavras por reticências nos mecanismos de busca.

O Google para Webmasters oferece ainda a seção da análise de conteúdo, onde é possível saber se sua descrição está muito longa, curta ou repetitiva.

As descrições das páginas de resultados do Google (também chamadas de snippets) podem tanto ser redigidas pelo webmaster, quanto serem apresentadas através de um trecho do texto contido naquela página que possa ser relevante na pesquisa.

? O que não fazer: utilizar descrições genéricas; preencher a descrição apenas com palavras-chave; colar todo o conteúdo da página na descrição; utilizar a mesma descrição para várias páginas.

3. URL amigável:

Utilizar uma URL cheia de números, letras e símbolos pode confundir o internauta. Escolher URLs com palavras reconhecíveis, além de ajudar a organizar melhor o seu site, também favorece a sua visitação, pois os internautas se sentem mais confiantes com URLs que conseguem entender.

A opção ainda beneficia a criação de links e o rastreamento da página pelos mecanismos de pesquisa. Afinal, a URL também é exibida nos resultados de uma busca, assim como o título e o snippet.

Na Central de Ajuda para Webmasters, você confere como como criar URLs amigáveis para o Google. Lembrando que as palavras contidas na URL devem ser condizentes com o conteúdo da página indicada por ela.

? O que não fazer: usar URLs muito longas, com muitos números e símbolos; exceder-se na utilização de palavras-chave; escolher nomes genéricos para as URLs; utilizar URL em caixa alta.

4. Linkando os âncoras:

O âncora é o texto clicável responsável por redirecionar o internauta ao endereço de um link. Os links podem ser internos (para páginas do próprio site) ou externos (para conteúdos fora do site).

Quando for linkar algum âncora, não se prenda a termos como “clique aqui” ou “neste site”. Dê preferência para textos mais precisos sobre o conteúdo da página em questão. Isso, além de tornar a navegação mais fácil, agrega informações a respeito do link selecionado.

? O que não fazer: sempre utilizar a URL da página como âncora; utilizar textos fora do assunto da página; utilizar âncoras muito longos; criar links desnecessários.

5. Otimizando as imagens:

As imagens podem ter títulos únicos ou um atributo “alt” (alternativo). Este último é uma breve descrição da imagem que será mostrada caso a figura não apareça devido alguma falha. Além disso, o atributo “alt” permite que as ferramentas de pesquisa compreendam melhor as imagens.

 

Texto alternativo da imagem

Caso a imagem não seja carregada por algum motivo, mas estiver usando o atributo "alt", ela deve aparecer como na imagem acima

 

? O que não fazer: salvar as imagens com nomes genéricos como “imagem01.jpg”; utilizar títulos muito longos ou cheios de palavras-chave.

Analise os resultados

Além de fazer essas pequenas transformações on page, não se esqueça de usar as ferramentas para webmasters para acompanhar e analisar os resultados do seu trabalho, como o Google Analytics e o Google Website Optimizer.

Conteúdo de Qualidade

Por fim, um conteúdo de qualidade aliado a serviços e informações úteis e originais são reconhecidos pelo usuário, gerando buzz por si só.

Vale lembrar que, embora isso não garanta o seu posicionamento nos rankings de pesquisa, um bom conteúdo é o primeiro passo para ter sucesso na otimização de sites. E seguindo essas dicas, você tem tudo para melhorar ainda mais a visibilidade do seu domínio na internet.

As imagens foram extraídas do Guia Google para Iniciantes.

Comments

comments

Suellen Moraes

Sobre Suellen Moraes

12 Comentários

Faça um comentário