Ações offline que geram resultados online

Ações offline que geram resultados online

Segundo dados da pesquisa Brasil Conectado, da IAB Brasil, a internet ocupa a primeira, ou as primeiras posições, no ranking de mídia mais consumida seja no acúmulo de horas consumidas semanalmente, ou em 15 minutinhos de folga. É considerada uma mídia importante por 80% dos entrevistados e já supera o uso do jornal pela manhã e da TV a noite; além dos outros pontos abordados na pesquisa – onde sim, a internet supera todas as outras mídias.

A televisão aparece na maioria das vezes em terceiro lugar. Essa, que há algum tempo era a mais consumida, a mais disputada e considerada a mais eficiente para merchandising e propagandas em horário nobre. Mas, como vemos, o hábito do consumidor mudou, muito. Hoje as pessoas assistem TV com o celular, tablet ou notebook na mão. Comentando o jornal, o programa e a novela.

Se o hábito do consumidor mudou, nós também devemos mudar nossa forma de ver e atingir o consumidor. Nós que trabalhamos com estratégias focadas em web, por vezes esquecemos ou ignoramos outras formas de atingir nosso público e fazer com que isso reflita na estratégia online. Pois bem, por mais que eu não goste do termo, temos que sair da caixa. E temos que pensar por diferentes ângulos principalmente quando existem dificuldades que não dependem só dos nossos esforços, ou quando por ora, os esforços precisam ser limitados. Seguem alguns exemplos de campanhas que seguiram essa linha:

QR Code Heineken

Quando utilizados dentro de uma campanha bem definida e bem estruturada, os QR Codes podem gerar muitos acessos. Mas é preciso ter atenção e cuidado: se seu público alvo não é um usuário ativo de internet, ele nem vai saber o que é aquela figura cheia quadradinhos. Se o link do seu QR Code leva o usuário para um site comum, sem versão móbile, o impacto também pode ser negativo.

A Heineken (adoro as ações da marca), fez uma campanha bacana utilizando esse recurso. Para facilitar o processo de interação das pessoas em um Festival de Música, quem quisesse podia criar um QR Code e colar na roupa (ou onde quisesse). O código tinha uma mensagem exclusiva e criada de acordo com a intenção de cada uma. Bacana né?

qrcode-heineken

Assista o vídeo aqui.

Outra ação que, em minha opinião, foi muito bem pensada, foi a Prateleira Digital da Tesco – criaram prateleiras digitais em metrôs, todos os produtos tinham um QR Code e podiam ser comprados ali mesmo, pelo celular e seriam entregues no endereço indicado. Genial ou não? Na correria de grandes centros, uma ação dessas acaba se tornando essencial. (Eles tiverem 76% de novos cadastros no site).
Assista esse vídeo e outros quatro, aqui.

prateleira-digital-tesco

*Colocar um QR Code no seu site, com link pro seu site mesmo não vale tá? No cartão de visitas, banners, embalagens de produtos, tudo bem.

Cadarço de Visitas Adidas

A Ageisobar criou um cartão de visitas no mínimo diferente para marca Adidas: um cadarço de visitas que continha nome, telefone e endereço de cada um dos funcionários, e foi criado dessa forma para que os clientes não o perdessem em meio a tantos outros. E ainda rendeu bronze para a Agência na categoria Design no Lion Cannes 2012.

cadarco_adidas

E como isso refletiu para a marca?
O quanto isso gerou de tráfego, não sei. Mas a marca foi exposta de uma forma bem inteligente e a ação, como podemos ver, gerou um grande burburinho pela rede.

cadarço-adidas

 

Gargalhômetro da Kibon

gargalhometro-kibon

A Kibon tem feito algumas ações inusitadas. A última foi a “Rua da Felicidade” – um Gargalhômetro colocado em uma rua de mesmo nome da campanha, em Goiânia. O vídeo no canal oficial da marca no Youtube chegou a 636.760 visualizações e 909 likes no canal.

A intenção é era fazer as pessoas rirem. Quem risse mais alto abria a ‘porta da felicidade’, podemos assim dizer. Quando o a gargalhada atingisse uma determinada altura de decibéis, alguns minutos de alegria eram liberados com brincadeiras, música, dança e muito sorvete.Se você ainda não assistiu, se prepare para rir e chorar junto.

A campanha anterior foi a “Corrente da Felicidade”, tão boa quanto e tão ‘tocante’ quanto a sucessora: Quando alguém entrasse no estabelecimento para comprar um picolé da marca, descobria que o sorvete já havia sido pago por outra pessoa. Um desconhecido. 97% das pessoas deram continuidade à ação, deixando pago um sorvete para a próxima pessoa. Esse vídeo teve 461.392 visualizações e 1.135 likes direto do Facebook, sem contar os likes dados em posts de outros canais.

Toda Mulher Merece um Elogio

mulherelogio

Essa foi uma campanha feita em conjunto por três marcas, em São Luiz (MA), Villa, Scala e Carmen Steffens.Casais chegavam a um restaurante e um tempo depois a mulher, que já sabia da ação, levantava para ir ao banheiro. Quatro minutos (sim, quatro minutos recorde!) elas voltavam totalmente produzidas dos pés a cabeça, para a surpresa de seus pares. As reações são bem engraçadas e gostosas de assistir. Não sei qual foi o impacto para as marcas envolvidas, sei que a quantidade de compartilhamentos foi enorme. Só na página da Hypeness foram 25 mil recomendações no Facebook. Ou seja, a exposição das marcas atingiu uma porção muito maior que uma propaganda comum atingiria na internet.

Agora vamos pensar de forma estratégica: enquanto você está aí, focando todos os seus esforços só em ganhar link e tráfego com ações comuns na internet, tem gente abrindo o leque de possibilidades e indo além. Nenhuma dessas campanhas fizeram sucesso na internet por acaso. Elas foram pensadas, estruturadas e detalhadamente construídas para gerar compartilhamento, tráfego, visitas, alcançar novas pessoas. E conseguiram.

No marketing digital (e não pensando só em SEO), nosso papel é encontrar alternativas para chegar onde nosso público alvo está e os caminhos percorridos para chegar a esse objetivo importam sim, principalmente porque todos eles precisam estar atrelados ao nosso foco principal: internet.

Comments

comments