Redes Sociais: Devo Duplicar Conteúdo em Outras Redes?

Redes Sociais: Devo Duplicar Conteúdo em Outras Redes?

Uma preocupação comum das pequenas e grandes empresas é estar presente nas mídias sociais, mantendo um bom relacionamento com seus clientes. Para isso muito se fala em produzir conteúdo relevante. Para alcançar o sucesso e realmente fazer a diferença para o seu público, porém, é preciso oferecer muito mais.

Além de pensar na importância de seu conteúdo para os seus leitores, é ainda imprescindível considerar que tipo de material deve ser produzido. Baseando-se no que já foi criado, verificando quais e como têm gerado retorno satisfatório.

Para que de fato, a interação possa ter mais chances de ser positiva, é fundamental ser criterioso. Isso quer dizer que para produzir um conteúdo que tenha tudo a ver com o seu público, você precisa antes conhecer e entender o que os seus consumidores gostam.

Depois disso, outro detalhe importante, a diferenciação de conteúdo nas mídias sociais. Afinal, esses meios nem sempre são iguais. Para isso, vamos entender qual a diferença entre mídia e rede social.

Mídias Sociais e Redes Sociais são a mesma coisa?

Esses termos já existiam antes da internet, talvez fora dela possam ter o mesmo sentido, mas no mundo da web eles apresentam diferenças.

As redes sociais funcionam como sites de relacionamento onde as pessoas estão conectadas entre si pelo fato de terem alguma ligação ou interesses em comum. Isso significa que o objetivo principal é criar relacionamento, por exemplo, o Orkut, Facebook e MySpace.

Via: Enrico Fonseca.

Já o conceito de mídias sociais é mais abrangente. Primordialmente, elas têm o poder de difundir e compartilhar o conteúdo com ferramentas diferentes dos meios de comunicação de massa. Mas, além disso, também permitem que os usuários interajam e se relacionem entre si, como é o que pode acontecer no Twitter, Youtube, SlideShare, Digg entre outros.

No entanto, o que determina se uma ferramenta é uma rede ou mídia social é uso que se faz dela. O Twitter, por exemplo, quando usado apenas para difundir conteúdo (links de notícias, imagens, vídeos) assume a posição de mídia social. Mas o microblog também pode ser usado como rede social, apenas para seguir amigos e interagir com eles.

O Orkut, Facebook entre outras redes têm como base o relacionamento entre as pessoas que têm algum interesse em comum. Portanto, elas já estão automaticamente inseridas dentro das mídias sociais.

Agora que sabemos que as redes fazem parte das mídias sociais, então por que ficar duplicando o seu conteúdo de uma mídia para a outra?

O Facebook não é o Twitter e o Twitter não é o Facebook

Sempre que o assunto é estratégia de sucesso, um dos primeiros mandamentos que aparecem é que qualidade é melhor que quantidade. Com a divulgação do conteúdo nas mídias sociais isso não poderia ser diferente.

Já parou para pensar em qual é a lógica de divulgar o título do seu post mais o link do seu site na fanpage do Facebook e no Twitter? Em algum momento pensando que as duas mídias sociais têm a mesma função, mas estamos equivocados.

Cada mídia tem um enfoque, enquanto no Facebook as pessoas buscam mais interação compartilhando fotos, vídeos e “frases de efeito”, o Twitter se preocupa mais em divulgar a informação com opiniões e liberdade de expressão de cada um.

No entanto, isso não significa que necessariamente um não pode assumir o papel do outro. Podem e isso dá certo, mas é preciso ter em mente que os caminhos a seguir são distintos, embora os objetivos sejam os mesmos.

Ao invés de investir em duas ou mais mídias sociais e apenas duplicar o seu conteúdo, é melhor focar e desenvolver um bom relacionamento em uma delas. Dessa maneira sua presença tem mais chances de conquistar a simpatia de antigos e novos clientes.

E se ainda assim você preferir se destacar em mais de uma mídia, então é preciso ter consciência que terá de investir em posicionamentos diferentes para cada ferramenta, mesmo que o objetivo final seja apenas um: promover a sua marca.

Será que você está usando uma boa estratégia de conteúdo

De nada adianta apontar os problemas da divulgação de conteúdo nas mídias sociais, senão pensarmos nas soluções, não é mesmo?

Primeiro vamos pensar em como funciona o Facebook. Quando uma pessoa curte alguma marca, empresa, ícone ou qualquer outra organização, ela passa a receber automaticamente as atualizações dessa página no seu feed de notícias.

Como normalmente demonstramos as nossas preferências por uma série de páginas, o que temos em nossa home do Facebook é uma verdade onda de informações a todo instante. Portanto, lá está o seu feed repleto de fotos da formatura, do passeio no parque ou de qualquer outra ação e até pensamentos dos seus amigos.

Junto disso, você ainda recebe a atualização de montagens e vídeos daquele blog de humor que você curtiu ontem, os vídeos de gatos, cachorros e periquitos cantando, a foto com a nova promoção da cerveja da sua marca preferida e por ai vai, um verdadeiro turbilhão de informações.

É impossível acompanhar tudo, pois o Facebook limita as suas visualizações no feed de notícias – não se sabe exatamente qual o critério usado para apresentar as novidades, mas tudo indica que as atualizações aparecem de acordo com as suas interações, conversas no chat e visualizações da fanpage e perfis de amigos. Além disso, o próprio usuário pode filtrar e limitar as novidades que aparecem no seu feed.

Eis que surge a sua missão: fazer da sua marca algo extraordinário e muito interessante. Lembrando que o ponto não é apenas ganhar likes, mas sim fãs que não desativem as atualizações da sua página e ainda gostem tanto do seu conteúdo que compartilhem as suas ideias em seus murais.

Mas ninguém disse que essa é uma tarefa fácil, por isso antes de assumir essa competição de conteúdo você precisa identificar o que o seu público curte, o que ele quer e o que ele costuma compartilhar.

Disney, por exemplo, é uma marca que foi expert em atrair fãs e se sobressair no Facebook. A sua estratégia foi brincar com referências do passado para sensibilizar emocionar no presente. Mas como a empresa fez essa jogada?

Via:  Facebook.
A empresa utilizou frases, diálogos, frames, desenhos, objetos, vídeos ou qualquer outro detalhe que fizesse o seu público mergulhar na nostalgia para relembrar e sentir saudade da infância. E o melhor disso, é que a campanha não ficou restrita a uma faixa etária específica, pois os ícones lembrados apresentam variações dos mais velhos aos mais novos.

Com essa tática a marca conquistou mais de 40 milhões de likes e mais de 1 milhão de pessoas comentam e mantém atividades na página periodicamente. E então foi ou não uma jogada de mestre?

Mas, todo esse sucesso só foi possível porque a Disney soube definir claramente o seu posicionamento e também devido ao conhecimento sobre quem faz parte do seu público e o que ele espera.

Outra estratégia que também pode servir de inspiração para se destacar no Facebook, é a da inserção da marca. Nesse caso, a empresa usa a rede social como se fosse uma pessoa, ou mesmo uma página que desenvolve um conteúdo divertido e interativo e não diretamente uma marca.

Um bom exemplo disso é a marca de lanches Taco Bell. O conteúdo da sua página ilustra muito bem como fazer parte da conversação e do relacionamento com diversas pessoas através de seus posts.

Via: Facebook.

A marca utiliza de montagens engraçadas, vídeos divertidos, fotos com o mesmo estilo das que algum amigo seu costuma postar, gravações descontraídas, temas como saudade da sexta-feira, prints de imagens e tudo mais que possa lembrar o comportamento de pessoas comuns na rede.

Essa estratégia de marketing, que de certa forma não é tão direta assim, mostrou que as empresas têm muito a ganhar com isso. A Taco Bell, por exemplo, tem hoje mais de 9 milhões de pessoas que curtem a sua página e conta com a atividade de mais de 100 mil fãs.

E no Twitter como fica?

Como já dissemos o Twitter é diferente do Facebook. Portanto, pode esquecer-se do típico Ctrl+C e Ctrl+V de notícias e links.

Twitter com o seu limite de 140 caracteres é tão capaz de promover o seu conteúdo quanto o Facebook, então por que apenas reproduzir a notícia de um para o outro?

Primeiro que o próprio Twitter já passou por algumas mudanças, que convenhamos favorece ao marketing dos mais espertinhos que quiserem utilizar a mídia. Desde as últimas alterações que ocorreram na ferramenta, além de divulgar o seu conteúdo e interagir com os seus seguidores, as empresas passaram a ter a opção de inserir cabeçalhos com o seu logotipo e slogan da sua marca.

Além disso, agora quando as páginas do Twitter são acessadas em iPads ou celulares smartphones, os links de vídeos e imagens aparecem na íntegra, ou seja, com esses recursos ficou mais fácil chamar a atenção dos usuários para a sua marca, pois é comprovado que as imagens atraem o foco dos seguidores.

Agora você pode estar comparando e pensando, mas com essas mudanças o Twitter se aproxima ainda mais ao modelo do Facebook e Pinterest. No entanto, é aí que se comete um engano, pois o único detalhe que faz essas mídias se tornarem parecidas é o  relacionamento social delas.

Se o usuário quiser pode usar o Twitter apenas para divulgar e compartilhar o conteúdo, sem precisar manter interações com outras pessoas, enquanto que o Facebook e Pinterest não podem assumir esse papel, porque são redes sociais, ou seja, uma categoria dentro das mídias sociais.

Por mais que o Twitter acrescente mais funções ou mude a sua aparência, a expressão de informações e ideias – ainda continua com uma linguagem muito particular. Além disso, o comportamento dos usuários em cada mídia é diferente, as pessoas não costumam repetir no Twitter o que já postaram Facebook

Logo, se você deseja que a sua marca seja “seguida” é melhor tomar o cuidado de não cansar os seus seguidores. Portanto, promova conteúdos diferenciados para cada mídia.

Via: Facebook.
Um exemplo de marca que soube investir na diferenciação de conteúdo apostando em posicionamentos diferentes para cada mídia foi a Coca-Cola. No Facebook a marca optou por investir mais no aspecto visual, através de desejos, referências, e imagens e montagens criativas.
 Via: Twitter.

 Já no Twitter a divulgação da marca assume uma posição mais interativa, onde a marca faz comentários e estabelece de maneira agradável conversas com os consumidores do seu produto.

Podemos alegar que a Coca-Cola usa as duas mídias sociais com um único propósito: divulgar a sua marca para conseguir mais fãs através do relacionamento. No entanto, para chegar a um bom resultado, ela diferencia o seu posicionamento estratégico em cada uma dessas ferramentas.

No fim das contas, o que podemos lhe dizer é que o segredo para fazer sucesso nas mídias sociais não depende de uma fórmula, ou estratégia pré-estabelecida, mas sim de como o seu conteúdo é apresentando para o seu público.

E você, conhece mais maneiras ou usa alguma estratégia diferente para fomentar as mídias e redes sociais? Deixe as suas dicas nos comentários!

Comments

comments